Sustentabilidade

A LEAL SANTOS é uma empresa comprometida com a preservação do meio ambiente e com a conservação dos ecossistemas marinhos, cujo objetivo é viabilizar a sustentabilidade dos pescados. Possui embarcações próprias e o processo de captura dos pescados é realizado através do sistema conhecido como vara e isca viva.

Ao contrário da tradicional captura com rede de cerco, o sistema com vara e isca viva é extremamente seletivo. Através dele, é pescado um atum de cada vez, não causando danos aos golfinhos, tartarugas, tubarões e outras espécies ameaçadas de extinção, além de preservar a continuidade do próprio atum. Trata-se de uma captura ecológica, sem impactos negativos ao ecossistema e que permite a sobrevivência das diversas espécies marinhas.

Espécies de Pescado

Certificações

A LEAL SANTOS é certificada pelos principais órgãos internacionais ligados a pesca de atum e proteção ambiental.

Certificação Friend of Sea

Friend of the Sea

Friend of the Sea

Certificação internacional que atesta a sustentabilidade das pescarias e assegura que o pescado é capturado de forma responsável e sem danos ao meio ambiente.
Página Oficial
Certificação Dolphin Safe

Dolphin Safe

Dolphin Safe

Certificação internacional que assegura que golfinhos não sejam capturados nem machucados durante a pesca.
Página Oficial
Certificação International Pole & Line Foundation - IPNLF

International Pole &
Line Foundation

International Pole & Line Foundation

Certificação internacional de captura de atum "um a um", o único método de pesca do atum considerado ambientalmente seguro, socialmente responsável e baseado em gerações de tradição.
Página Oficial

Marine Stewardship Council

(em processo de certificação)

Marine Stewardship Council

Os serviços de certificação do Marine Stewardship Council (MSC) da SGS garantem conformidade com padrões reconhecidos internacionalmente, abrangendo a pesca sustentável e a rastreabilidade (por meio da certificação da cadeia de custódia) para pescados capturados na natureza.
Página Oficial

Qualidade

A qualidade higiênico-sanitária é um fator decisivo para a segurança do alimento e sua importância em toda a cadeia produtiva do pescado é inegável, sobretudo se levado em consideração o alto potencial de deterioração deste produto.

Nesse sentido, a adoção de Programas de Autocontrole, sobretudo das Boas Práticas de Fabricação (BPF), representa uma forma de garantia de fornecimento de alimentos seguros, reduzindo a ocorrência de casos de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA). Os princípios do programa são gerais e envolvem o correto manuseio dos alimentos e adoção de métodos de conservação adequados, abrangendo desde a matéria-prima até o produto final (Costa et al., 2012).

Outro princípio fundamental das BPF é o treinamento dos manipuladores de alimentos, visto que estes são um dos principais focos de contaminação para o produto. Assim, buscando qualidade superior do pescado, os programas de capacitação devem ser contínuos e planejados, com objetivo de incorporar, na rotina de beneficiamento, os procedimentos preconizados pelas BPF. Os treinamentos devem contemplar conteúdos como higiene pessoal e operacional e manipulação higiênica dos alimentos (Sousa et al., 2021).

Além do programa de capacitação, o monitoramento e inspeção de instalações, equipamentos e produtos é de suma importância, visto que alinhado com as BPF geram um ambiente propício para a inocuidade e compliance dos produtos, levando em consideração todos os parâmetros físico-químicos, microbiológicos e inorgânicos de órgãos regulamentares.